Participará da missão empresarial ou como expositor na China International Import Expo, em novembro deste ano? Os empresários brasileiros que planejam ir ao evento certamente têm em mente conseguir encontrar um bom importador na China para conseguir transacionar seus produtos no segundo maior mercado consumidor do mundo e que caminha para ascender à primeira posição dentro de alguns anos.

Existem grandes desafios para que o investimento tenha sucesso. Alguns números do CIIE 2018:

  • 270 mil m2 de área = 32 campos de futebol – é muito grande. O maior centro de exposições no Brasil é o São Paulo Expo, com 110 mil m2, e já é bem espaçoso;
  • A área destinada a Alimentos e Agro, onde o Brasil mais de destaca, é de aproximadamente 54 mil m2. Bom espaço, mas terá que acomodar empresas de todo o mundo;
  • As estrelas do evento são os importadores. Os organizadores estimam que 150 mil importadores chineses comparecerão ao evento. Pensa em um grupo grande, que será muito assediado e que terá que administrar muito bem seu tempo e recursos financeiros para converter bons negócios. Sem contar o tanto que terá que caminhar pelo espaço;
  • Mais de 130 países participarão do evento sendo que 80 serão expositores oficiais, incluindo o Brasil;
  • Mais de 200 empresas do ranking das 500 maiores da Fortune estarão presentes – devem investir pesado em marketing e estrutura física para obterem resultados no evento.

O CIIE 2018 ocorrerá do dia 05 a 10 de novembro. Acaba um dia antes do Single’s Day, data de maior faturamento do ano para os varejistas chineses e, portanto, para toda a cadeia de importadores e fornecedores. Empresas como a BlueFocus E-commerce que atuam em e-commerce e seus parceiros têm foco único em atender bem seus consumidores nessa data, trabalho dedicado e que se inicia com no mínimo três meses de antecedência. Em resumo, os empresários chineses terão que priorizar suas agendas para não comprometer os resultados de vendas.

A dimensão do CIIE 2018 é praticamente continental em termos de estrutura, interesse mundial e abertura para novos negócios. O empenho do governo chinês em prover produtos internacionais ao país é muito grande por alguns motivos: necessidade básica de suprimento para atender a crescente demanda da classe média que se expande e deve atingir 500 milhões de indivíduos em poucos anos; a China se fortalece como um grande parceiro global para transações comerciais, aproveitando as brechas de conflitos comerciais e estabilidade de crescimento de consumo dos países desenvolvidos.

Um lugar ao sol da China

A luta para conseguir um espaço na agenda e na memória dos importadores exige a elaboração de estratégias promocionais de marketing – ações de relações públicas, comunicação digital, publicidade. E deve ser iniciado bem antes do evento.

Não se cria lembrança de marca na véspera de um encontro ou de uma abordagem comercial, ainda mais na China. Alguém já está sentado na janelinha. Um breve exemplo: somos considerados internacionalmente o país do futebol. No entanto, para os chineses, o recall de marca vem dos times europeus que investem em marketing na China há mais de 20 anos. Corinthians e Flamengo, os dois maiores times brasileiros em termos de torcidas, não têm o menor recall junto aos chineses, raros os conhecem.

O empresário chinês prioriza trabalhar com produtos e marcas reconhecidas internacionalmente, o que facilita o entendimento dos consumidores e reduz os investimentos em marketing. Agrega muito valor se os produtos forem sustentáveis, saudáveis, modernos e inovadores. Menos riscos para o negócio.

Hora de somar esforços e investimentos

A Apex-Brasil, junto com Fiesp* e a CNI, entre outras entidades de classe, está coordenando a missão brasileira. O espaço de exposição abrigará 100 empresas em 1.400 m2. Há também diversas atividades de networking para ativar negócios com empresários chineses. E, principalmente, um esforço para promover o Brasil como país que tem muitos produtos de ótima qualidade para o mercado chinês. Isto é fundamental para que o consumidor tenha a percepção de que podemos ser um grande parceiro comercial.

Há um grande trabalho das entidades de unir os empresários brasileiros para participarem da missão comercial e de realizarem ações promocionais no período do evento. A Apex está fazendo o seu papel para promover as exportações dos produtos nacionais com maior valor agregado, com todas as limitações em termos de recursos financeiros de uma agência de governo.

O empresário que pretende ir à CIIE 2018 deve pensar bem sobre como aproveitar a oportunidade de se promover, com recursos próprios. Deve se programar para investir em ações que deem destaque às suas marcas e produtos. Somar com os investimentos da Apex-Brasil e das entidades de classe. Aproveitar o momento em que há um esforço concentrado em estabelecer novas frentes de negócios no mercado chinês para desenvolver relacionamentos comerciais longevos, sustentáveis e lucrativos.

Sempre melhor não correr o risco de ser um ponto perdido na multidão, ainda mais na China.

Confira o vídeo institucional do CIIE 2018 para ter uma ideia do evento:

CIIE 2018 – Vídeo institucional

* A Fiesp promoverá um evento no dia 29 de agosto para apresentar detalhes sobre a China International Import Expo – segue o link para a inscrição: www.fiesp.com.br/agenda/go-asia-destino-china/

©2018 - 24x7 COMUNICAÇÃO - DIREITOS RESERVADOS

Translate »

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?